Debian – Comandos apt – Part 2

    0
    185
    Continuando o tutorial Comandos apt, vamos abordar sobre repositórios. Se não leu a primeira parte, recomendado que leia, principalmente se for iniciante na distribuição Debian.

    Espelhos

    Atenção:
    Não utilize o serviço de redirecionamento para os espelhos httppredir. O Httpredir é um serviço descontinuado, devido a falta de manutenção, porém aponta para a CDN da Amazon, direcionando para o serviço deb.debian.org. Para mais informações, clique aqui.

    O Apt utiliza o arquivo /etc/apt/sources.list, buscando as fontes onde os pacotes Debian podem ser obtidos, ou seja, ele verifica nestes repositórios se houve alguma alteração no sistema. Se houver atualizações é lá onde o apt procura. Vamos entender os repositórios:

    #Oldstable
    É simplesmente o repositório de uma versão anterior e que possui atualizações de segurança.

    A versão oldstable atualmente é a Wheezy (Debian 7)

    #Stable
    Os repositórios estáveis são da última versão lançada oficialmente. Atualmente a versão stable é a Jessie  (Debian 8).
    #Testing
    Nesse repositório é vantajoso para quem utiliza o Debian em seu desktop. A distribuição testing possui pacotes mais recentes e que ainda não estão na versão stable.
    #Unstable
    Repositórios Unstable ou Sid, possui pacotes ainda mais recentes que o Testing, porém, como o nome sugere são instáveis.  É extremamente importante ter cautela quando adicionar repositórios Unstable no seu sources.list.
     
    #Experimental
    Esse repositório é mais perigoso que o Unstable, porque possui pacotes que ainda estão em fase inicial de testes (candidatos a lançamentos ou pré-versões). Após alguns testes, o mesmo passa para o unstable, onde passa a ter uma maior atenção e testes mais precisos. As chances de corromper um arquivo é grande, então use com moderação.
    É possível, com certo cuidado e conhecimento, ter um respositório hibrido. Isto pode ser atraente para alguns usuários por ser possível instalar alguns pacotes mais recentes, como: kernel, aplicativos ou ambiente gráfico.
    Para tal feito é necessário criar dois arquivos de configuração, para o controle correto do Apt
    • Preferences: /etc/apt/preferences
    • Apt.Conf: /etc/apt/apt.conf
    Abaixo, a lista de espelhos no Brasil:

    Veja um exemplo de repositório hibrido (testing, unstable e experimental).

    # deb cdrom:[Debian GNU/Linux stretch-DI-rc2 _Stretch_ – Official Snapshot Mult
    # Testing
    deb http://ftp.br.debian.org/debian testing main contrib non-free
    deb http://security.debian.org/ testing/updates main contrib non-free
    deb http://ftp.br.debian.org/debian testing-updates main contrib non-free
    # Unstable
    deb http://ftp.br.debian.org/debian unstable main contrib non-free
    # Experimental
    deb http://deb.debian.org/debian experimental main contrib non-free

    Para entender melhor, resumidamente:
    deb: São pacotes binários (deb) pré-compilados, ou pode ser pacotes-fontes (deb-src).
    main: Pacotes livres e que não dependem de pacotes de fora para funcionar. São pacotes considerados parte da distribuição Debian.
    contrib: Contém pacotes dependentes do repositório não livre (non-free)
    non-free: Contém pacotes não livres (firmwares, módulos, etc)
    Agora que o sources.list está devidamente configurado, conforme sua necessidade, vamos configurar o apt.conf e preferences (caso possua um repositório híbrido).
    Primeiramente vamos criar o arquivo de configuração.

    sudo nano /etc/apt/preferences

    ATENÇÃO:
    Neste exemplo acima, foi executado o editor nano, porém pode ser usado o editor avançado vim, gedit, ou qualquer editor de sua preferência. Para salvar no editor nano, pressione Ctrl + O e Enter para salvar, e depois Ctrl + X para sair.

    Depois de criado, vamos acrescentar as prioridades. No exemplo abaixo, temos um Debian Testing que contém espelhos do unstable e experimental.  No entanto a prioridade de atualização de pacotes é da distro Testing, seguido de unstable, e por último experimental.

    • Package: *
      Pin: release a=testing
      Pin-Priority: 990
    • Package: *
      Pin: release a=unstable
      Pin-Priority: 350
    • Package: *
      Pin: release a=experimental
      Pin-Priority: 100

    DICA:
    Sempre deixe a prioridade dos repositórios unstable e experimental baixo. O Debian Stable é extremamente estável, seguro, e o Testing contém pacotes mais novos, vários testes e pode-se considerar seguro e estável para Desktop. A partir do unstable há um risco de corromper pacotes, problemas com dependências, ou simplesmente um app não funcionar corretamente. Então use com cautela.

    E não paramos por ai, é necessário criar outro arquivo /etc/apt/apt.conf

    para definir o repositório padrão. No exemplo abaixo, o repositório padrão é o testing.
    sudo nano /etc/apt/apt.conf

    APT::Default-Release “testing”;
    APT::Cache-Limit 100000000000000000;

    A partir daí temos o Debian com um repositório bem configurado. Para instalar um pacote do debian testing, unstable e experimental, foi abordado na Comandos apt – Part 1
    O apt é magnífico, a principio ele pode parecer simples, mas também é complexo e bem completo. Nada que uma boa leitura e um pouco de estudo não resolva.
    Teremos uma terceira parte.